Metodologia Biográfica

Os trabalhos biográficos do Grupo Ciclos da Vida seguem metodologia com base na Antroposofia, que ajuda muito no caminho consciente do autoconhecimento e autodesenvolvimento, por meio de sua própria história de vida. Através das leis biográficas somos levados à reflexão dos lados luminosos e sombrios de cada biografia, trazendo-os à consciência de maneira a permitir integrá-los em sua vida e reconhecer nela o valor desses acontecimentos.

A metodologia biográfica que utilizamos tem como base a dinâmica das fases de desenvolvimento do ser humano retomadas por Rudolf Steiner (1861-1925), fundador e principal pensador da Antroposofia. É um saber antigo – já na Grécia clássica, as leis gerais do desenvolvimento humano – transformações típicas que ocorrem ao longo dos anos – eram conhecidas.

O trabalho sistemático com as leis que regem a vida humana com base na Antroposofia teve início nos meados dos anos 50. O impulso para esta nova abordagem de desenvolvimento humano foi dado nos anos sessenta com a publicação do livro do psiquiatra holandês Bernard Livegoed, Fases da Vida (Ed. Antroposófica, 4ª edição, 1997) e na década de 90 surgiram no mundo várias formações oferecendo treinamento para a aplicação dessa abordagem no campo terapêutico e de desenvolvimento de pessoas.
A metodologia Biográfica foi estruturada no Brasil pela Dra Gudrun Burkhard, pioneira da medicina antroposófica no país e que, desde 1976, vem trabalhando em cursos e formações biográficas no Brasil e na Europa. Ela é a autora de diversos livros sobre o assunto, dentre os quais está o “Tomar a Vida nas Próprias Mãos” (Ed. Antroposófica) no qual apresenta uma visão geral do método.

Uma imagem das transformações que ocorrem em nossas vidas pode ser feita ao compararmos as fases da vida às estações do ano. Do nascimento até os 21, crescemos e amadurecemos fisicamente – é a primavera. O verão corresponde à fase expansiva da vida, quando atingimos a maior vitalidade, dos 21 aos 42 anos. Dos 42 aos 63 anos, os frutos amadurecem e a vida se torna particularmente colorida – é o outono. Chega então o inverno, quando as árvores perdem suas folhas revelando sua essência e as sementes se espalham pelo chão, esperando uma nova primavera.

Setênios

Na perspectiva do trabalho biográfico, a vida pode ser dividida em setênios (ciclos de 7 anos que marcam importantes passagens de vida), cada um com suas características arquetípicas.

  • 0 a 21 anos – Aprender

    Preparação para a vida. Educação receptiva.

  • 21 aos 42 – Lutar

    Tornar-se homem. Tornar-se mulher. Auto educação.

    • 21–28: Buscar seu lugar – Viver o mundo, experimentar
    • 28–35: Conquistar lugar – questionar o mundo
    • 35–42: Consolidar lugar – identidade, valores, limites
  • 42 aos 63 – Tornar-se Sábio

    Realização de vida. Auto desenvolvimento.

    • 42–49: Visão do todo – novos caminhos – fazer o essencial
    • 49–56: Visão do conjunto – novos valores – fazer o necessário
    • 56–63: Busca nova missão – útil à humanidade – fazer o bem
  • Acima de 63 – Ser Sábio

    • Continuar a aprender
    • Atuar para o futuro da humanidade e do mundov
    • Transformações dos sentidos
    • Liberdade interior

Em todas as fases existem questões que, se pesquisadas, podem trazer consciência sobre o que foi vivido até agora e sobre as possibilidades de futuro – de “tomarmos a vida nas próprias mãos”.

Ao olhar a história de nossa vida com alegrias e crises, fatos que se repetem, motivações de vida, talentos desenvolvidos ou não, podemos encontrar a tônica de nossa vida, o fio condutor, e nossa  missão de vida e, assim, traçar os planos para o futuro.